Furacão Sandy: cidades costeiras declaram emergência

Milhares de moradores de cidades costeiras do Estado de New Jersey receberam neste domingo a ordem de retirada emitida por autoridades estaduais e federais, à medida que o furacão Sandy, que matou pelo menos 65 pessoas no Caribe na semana passada, avança pelo Atlântico Norte e deverá tocar a terra firme nos Estados Unidos entre a noite de segunda-feira e madrugada da terça-feira, em algum ponto entre a Carolina do Norte e New Jersey. O governador de New Jersey, Chris Christie, declarou estado de emergência. O Estado da Carolina do Norte também está em emergência.

EQUIPE AE, Agência Estado

28 de outubro de 2012 | 19h37

Os 12 cassinos de Atlantic City ficarão fechados a partir deste domingo. Em Nova York, o prefeito Michael Bloomberg anunciou que o metrô e os ônibus pararão de circular a partir da noite deste domingo e as escolas municipais não terão aulas na segunda-feira, afetando 1,1 milhão de estudantes.

Bloomberg também ordenou a retirada dos moradores da baixa Manhattan, cerca de 370 mil pessoas. "Se você não sair de casa, estará colocando em risco não só a própria vida, mas também as dos socorristas que terão que ir te buscar", disse Bloomberg. "Essa é uma tempestade muito séria que se aproxima", afirmou o prefeito nova-iorquino.

Meteorologistas têm alertado que a tempestade poderá provocar estragos em uma região superior a 1.300 quilômetros de extensão, da Costa Leste americana à região dos Grandes Lagos. Poderá nevar em parte dos Estados da Virgínia Ocidental, Virginia, Kentucky e Carolina do Norte. Os riscos estão mais limitados às áreas costeiras, mas também existe o possibilidade de inundações. Foi por isso que o fechamento do metrô foi decidido em Nova York.

O furacão Sandy atingiu a Jamaica no dia 24 de outubro e em seguida se dirigiu para o leste de Cuba, atingindo as Bahamas no dia 26. Depois, rumou para o Oceano, onde se juntou com uma tempestade de inverno formada a oeste dos Açores, e agora ameaça a costa leste americana. No Haiti, país mais pobre das Américas, Sandy matou 51 pessoas, informaram neste domingo as autoridades. A maioria morreu soterrada em deslizamentos de terra ou afogada em rios transbordados. Outras 11 pessoas foram mortas no leste de Cuba. Outras vítimas foram mortas na Jamaica, Porto Rico e Bahamas.

O Estado de Delaware ordenou a retirada de 50 mil moradores das regiões costeiras a partir das 20 horas deste domingo. De acordo com o mais recente boletim do Centro Nacional de Furacões (NHC, na sigla em inglês), Sandy estava na tarde deste domingo 400 quilômetros ao sudeste do Cabo Hatteras, na Carolina do Norte, e se movia aos 22,5 quilômetros por hora. O furacão era de categoria 1, com ventos sustentados de 120 quilômetros por hora. O furacão estava 925 quilômetros ao sul da cidade de Nova York. As informações são da Associated Press e da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
furacãoSandyEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.