Hiroko Masuike/The New York Times
Hiroko Masuike/The New York Times

Furto na Trump Tower: moradores relatam sumiço de joias avaliadas em R$ 1,4 milhão

Peças com diamantes, esmeraldas e safiras desapareceram de dois apartamentos no luxuoso complexo com o mesmo nome do presidente americano e onde ele passará a semana para participar da Assembleia-Geral da ONU

Redação, O Estado de S.Paulo

23 de setembro de 2019 | 13h52

NOVA YORK - Dois moradores da Trump Tower em Manhantam relataram furtos de joias com diamantes, esmeraldas e safiras de seus apartamentos no prédio onde o presidente Donald Trump mora quando está em Nova York, informou a polícia.

Os investigadores acreditam que as joias, avaliadas em cerca R$ 1,4 milhão (US$ 353.000), foram tiradas de dentro de dois apartamentos no prédio onde Trump tem um triplex e onde a Organização Trump tem escritórios.

Um porta-voz da polícia de Manhattan disse que os investigadores do esquadrão de grandes casos não identificaram um suspeito e estão examinando todas as pessoas que têm acesso ao prédio. O relatório da polícia também não fala em entrada forçada nos imóveis.

Os relatos de furtos foram divulgados poucas horas antes de Trump chegar ao arranha-céu homônimo na Quinta Avenida na noite de domingo, onde ele ficará nos próximos dias em razão da Assembleia-Geral das Nações Unidas. Trump deve discursar na terça-feira.

Uma mulher de 67 anos que vive no 42º andar disse à polícia que cinco peças no valor de R$ 989.600 (US$ 236.000) foram roubadas de uma gaveta em seu apartamento enquanto ela estava ausente entre 21 de junho e 9 de setembro.

As joias incluíam um bracelete de diamantes Harry Winston além de um anel, um colar e uma pulseira - todos feitos de diamantes e safiras, que foram levados juntamente com um par de brincos de diamante e esmeralda, informou a polícia.

Uma mulher de 33 anos também disse que seu bracelete de R$ 489.260 (US$ 117.000) da Graff foi retirado de seu apartamento no 59º andar enquanto ela estava de férias. A mulher, Isabelle Bscher, relatou o roubo no dia 11, ao retornar para seu apartamento.

Mesmo antes dos relatos de furtos, a segurança no prédio e nas proximidades já estava elevada no fim de semana em razão da chegada de Trump a Nova York para a Assembleia-Geral da ONY, onde discussões sobre mudanças climáticas, Irã e guerras comerciais estão na agenda dos discursos e reuniões dos próximos dias. / THE NEW YORK TIMES

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.