Futuro de ônibus espaciais agora é incerto

O futuro dos ônibus espaciais norte-americanos é incerto depois da tragédia sofrida neste sábado pelo Columbia, cujas causas estão sendo investigadas, enquanto se levantam vozes que afirmam terem advertido sobre a possibilidadede um acidente.O chefe da Nasa, Sean O´Keefe, definiu como "extremamente difícil" que outro ônibus espacial seja construído, embora tenha acrescentado que, se as investigações forem rápidas, é possível que um ônibus espacial volte para o espaço dentro de cinco meses."Não podemos dar prazos. Esperamos que se concluam as investigações, mas temos três astronautas na Estação Espacial Internacional que dependem de nós e voltaremos a voar logo queseja possível", disse O´Keefe.Segundo o chefe da Nasa, a agência espacial cuidará agora da "próxima geração" dos aparatos espaciais, mas as três naves que ainda estão em serviço poderiam voltar a operar em breve.A decisão estratégica da Nasa em 2002, quando anunciou que deixaria de construir uma nova geração de ônibus espaciais e decidiu seguir adiante até 2015 com os atuais, voltou a ser temade discussão nos Estados Unidos.Os temores de um "acidente catastrófico" do ônibusespacial haviam sido anunciados meses atrás por um engenheiro espacial norte-americano, Don Nelson, que escreveu ao presidente George W. Bush implorando-lhe que suspendesse as viagens doônibus espacial antes que fosse tarde demais. Nos últimos 11 anos, Nelson trabalhou como especialista na avaliação de projetos avançados de transporte espacial."Nunca estive tão preocupado com a segurança de nossos astronautas", disse, por sua vez, Richard Blomberg, então presidente da Comissão para a Segurança Aeroespacial da Nasa, que pediu a deputados e senadores um aumento no orçamento paraos exploradores espaciais.Para os Estados Unidos, o problema agora não é apenas decidir se retira ou não os ônibus espaciais, mas também determinar que direção dar à história da exploração espacial.VEJA O ESPECIAL

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.