Fuzileiro dos EUA é preso por estuprar japonesa de 14 anos

Oficial de 38 anos detido no Japão nega ter abusado da menor; incidente aconteceu na noite de domingo

Efe,

11 de fevereiro de 2008 | 11h28

A polícia da província de Okinawa (sul do Japão) deteve nesta segunda-feira, 11, um membro do corpo de Fuzileiros Navais dos Estados Unidos acusado de estupro de uma menina de 14 anos, informa a agência Kyodo. O acusado, o sargento Tyrone Hadnott, nega ter abusado da menor e diz que apenas se deitou sobre ela e a beijou, segundo depoimento dado à polícia. No entanto, as investigações indicam que o acusado estuprou a jovem de 14 anos no interior de um carro estacionado nas ruas da cidade de Chatan, em Okinawa, por volta das 22h30 do domingo (11h30 de Brasília). Aparentemente, Hadnott e a jovem estavam na cidade de Okinawa duas horas antes do incidente, e a jovem concordou em ir com o sargento, pois achava que ele a acompanharia até sua casa. As amigas da menina ligaram para as autoridades ao não conseguirem fazer contato com ela. Porém, posteriormente conseguiram contatar a jovem, que pediu ajuda. Hadnott, de 38 anos, tinha sido designado para a base de Camp Courtney de Okinawa, a província mais ao sul do Japão e composta por 160 pequenas ilhas situadas entre o mar da China Oriental e o oceano Pacífico. As autoridades locais, que expressaram sua rejeição ao episódio, explicaram que não acreditam que o incidente prejudique os planos de mudança da base aérea do corpo de Fuzileiros Navais dos EUA da cidade de Futemma, mais povoada, para a de Nago (ambas na província de Okinawa). Em 2006, EUA e Japão chegaram a um acordo para a mudança da base. Por outro lado, o Ministério de Assuntos Exteriores do Japão já fez contato telefônico com o subchefe da missão americana no Japão, Joseph Donovan, para pedir a ele que fortaleça a disciplina entre seu pessoal militar e evite a repetição de episódios semelhantes.

Mais conteúdo sobre:
JapãoEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.