Fuzileiro dos EUA executa prisioneiro em mesquita em Faluja

Na frente das câmeras, um fuzileiro naval dos EUA atirou e matou um prisioneiro iraquiano que estava ferido dentro de uma mesquita em Faluja. A gravação feita pelo correspondente da NBC Kevin Sites, que acompanhava os fuzileiros do 3º Batalhão do 1º Regimento foi feita no sábado enquanto os fuzileiros retornavam para uma mesquita não identificada em Faluja.O vídeo, de acordo com uma versão transmitida pela CNN, mostra um fuzileiro apontando o rifle para um prisioneiro. A NBC e a CNN não mostraram o soldado atirando. Os fuzileiros teriam tomado a mesquita um dia antes, na sexta-feira, após tiroteio com rebeldes que se alojavam no local. Dez homens foram mortos no tiroteio e cinco ficaram feridos. Os feridos foram deixados no local após a tomada da mesquita.A gravação mostra alguns fuzileiros voltando à mesquita no dia seguinte, no sábado. Disparos são ouvidos lá dentro. Quatro dos iraquianos feridos no dia anterior teriam sido baleados novamente pelos fuzileiros que retornaram no sábado.No vídeo ouve-se um fuzileiro gritando palavrões contra um iraquiano encostado na parede, acusando-o de estar apenas fingindo-se de morto. A gravação continua com a imagem de um fuzileiro levantando o rifle contra esse mesmo iraquiano. Neste ponto o vídeo é cortado, ouve-se apenas um barulho de tiro. O fuzileiro teria dito: "agora ele está (morto)".Em Nova York, o porta-voz da NBC Allison Gollust disse que a rede não transmitiu a cena do fuzileiro atirando para não chocar a audiência. A gravação completa foi oferecida a outras TVs.Em Washington, o major Doug Powell disse, no quartel da Marinha no Pentágono, que o incidente estava "sendo investigado". Ele não deu mais detalhes além de que o incidente ocorreu no sábado e que o fuzileiros envolvidos no caso pertencem à 1ª Divisão de Fuzileiros.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.