Fuzileiros americanos morrem em queda de helicóptero

Dois fuzileiros navais americanos morreram e outros cinco ficaram feridos na queda de um helicóptero Super Stallion, hoje de manhã, numa região montanhosa no leste do Afeganistão, durante uma missão de reabastecimento de tropas. De acordo com o secretário americano de Defesa (Pentágono), Donald Rumsfeld, os indícios são de que uma falha mecânica provocou o desastre. Os militares não informaram o local exato do acidente, nem para onde o aparelho se dirigia. Um porta-voz das forças americanas na base aérea de Bagram, para onde os sobreviventes foram levados a princípio, disse que o local da queda fica a aproximadamente 60 quilômetros ao sul. Bagram está situada ao norte de Cabul, a capital do país. Aparentemente, o helicóptero estava sendo usado para levar suprimentos às pequenas unidades das forças especiais dos EUA que estão em áreas remotas, onde ainda podem estar escondidos militantes da rede terrorista Al-Qaeda e do movimento Taleban. O Pentágono também não informou em que local os feridos estão sendo tratados, apenas assinalou que não correm risco de vida. "Nós vimos dois helicópteros. Um voava de modo estranho. Depois de alguns segundos, os dois desapareceram e nós ouvimos uma grande explosão", contou um morador na região de Bandi Ghazi, na área montanhosa a sudeste de Cabul. No início do mês, um avião americano de reabastecimento de combustível caiu no sudoeste do Paquistão, matando todos os sete fuzileiros navais a bordo. Pelo menos dois helicópteros se acidentaram nos primeiros meses da guerra no Afeganistão. Num deles, no território paquistanês, morreu um militar. As forças americanas e aliados afegãos continuam a caçada ao líder espiritual do Taleban, mulá Mohammed Omar, cujo paradeiro é desconhecido. Leia o especial

Agencia Estado,

20 Janeiro 2002 | 22h15

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.