G-20 chega a acordo prévio para impulsionar crescimento

O G-20 concordou neste sábado em adotar um amplo pacote de medidas estruturais para tentar elevar o crescimento global em 2 pontos porcentuais nos próximos cinco anos. O projeto é uma das prioridades da Austrália durante a presidência do País no G-20 e deve levar ao Plano de Ação de Brisbane, que será assinado durante uma reunião de cúpula nos dias 15 e 16 de novembro.

AE, Estadão Conteúdo

20 de setembro de 2014 | 15h58

O pacote foi anunciado durante uma conferência de ministros de Finanças e presidentes de bancos centrais do G-20 em Cairns. Os representantes também estudam como modernizar o sistema tributário internacional e evitar práticas antiéticas de grandes companhias. "Nós temos a oportunidade de mudar o destino da economia mundial", disse o secretário do Tesouro da Austrália, Joe Hockey, no início do encontro. Segundo ele, o pacote foi montado a partir de mais de 900 propostas enviadas pelos países do grupo.

Segundo o Fundo Monetário Internacional (FMI), a economia global deve crescer 3,4% este ano. De acordo com membros da delegação alemã que participou do encontro do G-20 na Austrália, o pacote anunciado levaria a um aumento de 1,8 ponto porcentual no PIB mundial, na comparação com 2013, mas só se fosse implementado imediatamente. O ministro de Finanças da Alemanha, Wolfgang Schäuble, defendeu a meta de 2 pp, mas também alertou que algumas dessas medidas podem alimentar riscos para a estabilidade financeira no longo prazo, segundo informaram fontes com conhecimento do assunto.

Recentemente, Schäuble rebateu críticas de que a Alemanha não esteja fazendo o bastante para apoiar o crescimento global. Durante a conferência na Austrália, ele teria rejeitado demandas dos EUA para que seu país aumentasse os gastos. Fonte: Dow Jones Newswires.

Mais conteúdo sobre:
G-20economiacrescimento

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.