G-20 quer solução rápida para dívida da Argentina

Em comunicado divulgado há pouco, os ministros da Fazenda e presidentes de Bancos Centrais do G-20 (países mais industrializados e um grupo seleto de emergentes) exortou uma solução mais breve possível para o problema da dívida da Argentina. "Países tomadores de dinheiro, credores e a comunidade internacional têm interesse comum no bom funcionamento e na eficiência dos capitais internacionais. Reconhecemos que os credores estão diferenciando cada vez mais os tomadores internacionais, sejam eles privados ou soberanos. Uma boa comunicação entre os tomadores de dinheiro e seus credores pode desempenhar um papel importante para sustentar o fluxo de capitais para os países emergentes", diz o texto do comunicado, salientando que "a redução do fluxo de capital para os países emergentes ressalta a necessidade para adoção de políticas saudáveis, que promovam um ambiente positivo para o investimento". Uma entrevista coletiva liderada pelo ministro de Finanças do Canadá, Paul Martin, due conta que os líderes concordaram que os problemas enfrentados pelos mercados emergentes devem ser uma prioridade internacional. O objetivo comum é reduzir as incertezas e assegurar a sustentabilidade para os fluxos de capitais para países emergentes. Martin disse que a reunião do G-20 atingiu todos os seus objetivos, como o de discutir a situação econômica mundial e o combate ao financiamento do terrorismo e à lavagem de dinheiro. Os participantes do G-20 elaboraram ao final da reunião um plano de ação para combater o financiamento do terrorismo internacional. Entre as medidas a serem adotadas estão o congelamento de ativos de terroristas e fechamento do seu acesso ao sistema de financiamento internacional, além de tornar pública a lista de terroristas com ativos congelados e seus valores. Outras ações incluem uma maior colaboração na troca de informações, assistência técnica e a adoção de várias medidas ratificadas pelas Nações Unidas na sua convenção para eliminação do financiamento do terrorismo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.