G-7 aumenta pressão sobre a Rússia por cessar-fogo

As sete maiores potências econômicas do mundo instaram a Rússia hoje a aceitar um cessar-fogo imediato com a Geórgia e concordar com a mediação internacional na crise no Cáucaso. Com a situação se deteriorando, a secretária de Estado norte-americana, Condoleezza Rice, e seus colegas do G-7 - grupo dos sete países mais industrializados do mundo - fizeram um apelo à Rússia por uma solução negociada da crise. Ainda hoje, o presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, denunciou a ofensiva russa como "brutal e dramática".Bush pediu a uma volta ao "status quo" militar de 6 de agosto, ou seja, antes do ataque georgiano aos separatistas da Ossétia do Sul. Ele criticou a violência, a qual definiu como "inaceitável". Em discurso na Casa Branca, logo após voltar de Pequim, o presidente dos EUA se disse "profundamente preocupado" com o avanço das tropas russas até Gori, cidade na Geórgia central. Bush sugeriu que a Rússia talvez tente derrubar o governo da Geórgia e disse que Moscou precisa assinar um acordo imediato de cessar-fogo com Tbilisi.Já Rice e os chanceleres da Grã-Bretanha, Canadá, França, Alemanha, Itália e Japão fizeram uma teleconferência hoje, durante a qual foi ressaltado que a Geórgia concordou com uma trégua. Os chanceleres pediram à Rússia que respeite a fronteira da Geórgia e expressaram uma grande preocupação pelas mortes de civis. O G-7 também apoiou os esforços de mediação do chanceler francês, Bernard Kouchner, que hoje está em Tbilisi e se reuniu com presidente da Geórgia, Mikhail Saakashvili. Kouchner disse que Saakashvili concordou com todas as propostas para um plano de paz. Com informações da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.