G-7 diz que não reconhecerá referendo na Crimeia

O grupo das sete nações mais industrializadas do mundo, conhecido como G-7, afirmou nesta quarta-feira que não reconhecerá os resultados do referendo na Crimeia sobre a separação da Ucrânia e anexação da região à Rússia, marcado para este domingo.

AE, Agência Estado

12 de março de 2014 | 11h45

Um comunicado das sete nações, divulgado pela Casa Branca nesta quarta-feira, pede que a Rússia "interrompa todos os esforços para mudar o status de Crimeia que contrariam a lei ucraniana e violam o direito internacional". A nota diz ainda que o referendo marcado para esta semana não terá "efeito legal" ou "força moral" e que o processo é cheio de falhas.

Os líderes afirmaram que tomarão novas ações no âmbito de cada país e coletivamente, se a Rússia tentar anexar a Crimeia.

A nota foi divulgada em nome dos líderes de Canadá, França, Alemanha, Itália, Japão, Reino Unido e Estados Unidos, junto com o Conselho Europeu e a Comissão Europeia.

Mais cedo, um oficial europeu que pediu anonimato havia dito que o G-7 preparava uma ameaça formal com sanções contra a Rússia caso Moscou insista em atrair uma região ocupada na Ucrânia ainda mais para dentro de sua órbita. Fonte: Associated Press e Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
CrimeiareferendoG-7UcrâniaRússia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.