Juan Medina / Reuters
Juan Medina / Reuters

G7 e empresas de internet concordam em bloquear a propaganda terrorista

Google, Facebook e Twitter se uniram a potências europeias para banir propaganda de grupos radicais em suas páginas

O Estado de S.Paulo

20 Outubro 2017 | 12h10

ROMA - Os ministros do Interior do G-7, reunidos na ilha italiana de Ischia, acertaram nesta sexta-feira,20, bloquear a propaganda terrorista que os grupos jihadistas utilizam como arma nos meios de comunicação, anunciou o ministro do Interior italiano, Marco Minniti.

+5 Razões Para … Exaltar a queda de Raqqa

"Pela primeira vez, os países mais desenvolvidos do mundo e os gigantes da internet (Google, Facebook e Twitter) se uniram para implementar um plano de ação destinado a bloquear automaticamente os conteúdos terroristas", explicou Minniti durante coletiva de imprensa.

"A internet é importante para os combatentes estrangeiros, um veículo para recrutar, treinar e radicaliar. Se movem como peixes na água", admitiu o ministro.

O acordo é considerado um dos "primeiros passo para uma grande aliança feita em nome dos princípios da liberdade", acrescentou.

Segundo fontes francesas, em menos de duas horas serão bloqueados os sites com conteúdo jihadistas.

"Com este compromisso comum, queremos uma enviar uma mensagem forte à opinião pública do mundo: é possível não renunciar à liberdade e, ao mesmo tempo, viver de forma segura", afirmou Minniti. /AFP

 

 

Mais conteúdo sobre:
Google Facebook Twitter internet terrorismo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.