G7 pedirá a Rússia que respeite soberania da Ucrânia

Os líderes do grupo G7, formado por Canadá, França, Alemanha, Itália, Japão, Reino Unido e EUA, vão publicar uma declaração às 10h (de Brasília) pedindo que a Rússia abandone suas ambições territoriais na Ucrânia e retire suas tropas da península da Crimeia.

Agência Estado

12 de março de 2014 | 08h33

O presidente da Comissão Europeia, José Manuel Barroso, disse que o documento "não vai deixar dúvidas sobre a determinação do G7" em trabalhar para o fim das turbulências políticas e econômicas na Ucrânia.

As relações entre a Europa e a Rússia vêm se deteriorando nos últimos dias, enquanto a Crimeia se prepara para um referendo no próximo domingo para homologar a separação da Ucrânia e a incorporação ao território russo.

"Pedimos que a Rússia cesse todos os esforços para anexar a Crimeia", afirmou Barroso, acrescentando que o governo de Vladimir Putin não deve provocar uma violação da soberania da Ucrânia.

Além deste anúncio, a União Europeia deve propor uma "assistência macrofinanceira" de 1 bilhão de euros (US$ 1,4 bilhão) para Ucrânia, que será liberado no dia 19 de março. O valor faria parte do pacote anunciado na semana passada de 11 bilhões de euros, explicou Barroso. Essa ajuda de curto prazo será destinada para aliviar as finanças públicas do governo interino da Ucrânia e acalmar os rumores do mercado financeiro.

Autoridades de vários países da União Europeia, incluindo Reino Unido, França e Alemanha se reuniram em Londres na terça-feira com os Estados Unidos e Turquia para construir os próximos passos, incluindo possíveis sanções comerciais e diplomáticas.

Em 2 de março, um documento do grupo condenou as ações da Rússia na Ucrânia e destacou que os países interromperiam os preparativos para o encontro do G8, que inclui a Rússia. Fonte: Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
G7UCRÂNIARÚSSIA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.