G7: Rússia precisa conter ações na Crimeia

Os líderes do G7 (Canadá, França, Alemanha, Itália, Reino Unido e EUA) publicaram há pouco uma declaração onde exigem que a Rússia deve paralisar os esforços para incorporar a península da Crimeia, localizada na Ucrânia, para seu território. Caso os russos não aceitem as reivindicações do grupo, os países afirmam que devem tomar medidas de bloqueio econômico e político contra o governo de Vladimir Putin.

EDGAR MACIEL, COM INFORMAÇÕES DA MARKET NEWS INTERNATIONAL, Agência Estado

12 de março de 2014 | 10h05

O documento também rechaçou o referendo regional na Crimeia, marcado para o próximo domingo (16), que vai decidir sobre o futuro da península. "Nós não vamos reconhecer o resultado sobre o status político na Crimeia. Pedimos que a Rússia retire o seu apoio a esse movimento ilegal", afirmaram os países.

O G7 disse que o anexo da Crimeia à Rússia seria uma "clara violação dos Direitos das Nações Unidas". "Nós pedimos ao governo russo para reduzir a atuação das suas tropas em território ucraniano e volte a abrir as negociações com o governo daquele país. Nós, do G&, pedimos que eles se juntem a nós neste desafio de resolver essa crise diplomática".

Por fim, o documento relembrou à Federação Russa sobre a decisão do grupo de suspender sua participação em qualquer atividade na preparação do G8 neste ano, marcado para a cidade de Sochi, até que o governo russo altere sua opinião.

Tudo o que sabemos sobre:
G7DECLARAÇÃORÚSSIAATUALIZA1

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.