G8 pode dar US$ 40 bilhões para Primavera Árabe

Minuta da declaração final aponta que Tunísia e Egito receberão US$ 20 bi nos próximos 2 anos

Associated Press

27 de maio de 2011 | 09h31

Autoridades do Grupo dos Oito prometeram apoio econômico aos países que lutam pela democracia

 

 

DEAUVILLE - Oficiais disseram nesta sexta-feira, 27, que os países ricos e os credores internacionais tem o objetivo de fornecer US$ 40 bilhões em financiamento para os países árabes que tentam estabelecer democracias livres.

 

Veja também:

link Começa cúpula do G8 que apoiará as reformas árabes

especialMapa: A revolução que abalou o Oriente Árabe

 

O ministro das Finanças da Tunísia, disse que os líderes do G8, grupo dos oito países mais industrializados, lançou proposta em uma cúpula no resort francês nesta sexta-feira.

 

Um oficial francês diz que US $ 40 bilhões é a meta global, mas que as divisões por país e calendários ainda estão em discussão. O funcionário não teve seu nome revelado devido a políticas de seu gabinete.

 

A minuta da declaração final da cúpula do G8 (formado por Alemanha, Canadá, Estados Unidos, França, Reino Unido, Itália, Japão e Rússia), anteriormente publicada, apontava que os bancos de desenvolvimento apoiarão com mais de US$ 20 bilhões entre 2011 e 2013 as reformas econômicas e democráticas no Egito e na Tunísia.

 

No montante, que será fornecido em forma de crédito pelo Banco Mundial, o Banco Europeu de Investimentos, o Banco Europeu para a Reconstrução e o Desenvolvimento e o Banco Islâmico, não está incluída a ajuda já prometida pela Comissão Europeia (órgão executivo da União Europeia - UE).

 

Os países do G8 se comprometeram também a aumentar as ajudas de maneira bilateral, embora sem divulgar cifras.

 

O presidente da Comissão Europeia, José Manuel Durão Barroso, declarou nesta sexta-feira aos primeiros-ministros do Egito, Essam Sharaf, e da Tunísia, Beji Caid Essebsi, que a filosofia das ajudas é "mais apoio em troca de mais reformas".

 

Depois de se reunir com os líderes árabes, Barroso afirmou que fornecerá ajudas diretas como empréstimos, mais acesso aos mercados europeus, e mobilidade, através de parcerias, para esses países lidarem melhor com a emigração.

 

Segundo Barroso, estas sociedades estão preparadas para fazer um bom uso dos apoios internacionais.

 

O presidente da Comissão Europeia ressaltou que é possível conseguir uma autêntica democracia no norte da África, o que, segundo ele, representaria "um forte sinal" para todos os países muçulmanos.

O Executivo comunitário aumentou em 1,2 bilhão de euros a dotação para doações em sua chamada "Política de Vizinhança" até 2013, com um montante global de 7 bilhões de euros.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.