Gafe de Brown abala campanha trabalhista

Uma gafe cometida a oito dias das eleições expôs o primeiro-ministro britânico Gordon Brown à execração pública ontem. Sem perceber que um microfone ainda registrava sua fala, o candidato do Partido Trabalhista chamou uma eleitora com quem acabara de dialogar de "fanática", esbravejando contra o fracasso do encontro.

Andrei Netto, CORRESPONDENTE / PARIS, O Estado de S.Paulo

29 de abril de 2010 | 00h00

No encontro, registrado pelas emissoras de TV do país, Brown conversou com uma eleitora trabalhista, Gillian Duffy, viúva de 65 anos. Na oportunidade, ela o questionou sobre temas como economia, gestão fiscal e política de imigração em um eventual novo governo.

Contrariado com o resultado do diálogo, Brown reclamou a um assessor ao ingressar no carro que o levaria a outra reunião de campanha: "Foi um desastre! Não deveria jamais ter sido colocado frente a essa mulher." Seu assessor então questionou o que havia sido tão ruim. O candidato respondeu: "Tudo. Era simplesmente uma fanática que disse que costumava ser trabalhista!" Ao ser informado de sua gafe, o primeiro-ministro pediu perdão: "Lamento se o que disse feriu alguém e eu lhe pedirei pessoalmente desculpas."

O abalo na campanha, definido como "Brown"s disaster" pela BBC, ocorre no momento mais crítico da campanha eleitoral. Mais de 10 milhões de eleitores devem assistir na noite de hoje ao último debate entre os candidatos ao cargo de premiê. Com a economia como tema, o programa é uma das últimas oportunidades do conservador David Cameron e liberal Nick Clegg de reverter a tendência de que os trabalhistas obtenham a maior bancada no Parlamento. Se o cenário se confirmar, o caminho estaria aberto para a recondução de Brown à chefia do governo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.