Galícia e Portugal sofrem com vários incêndios

A região da Galícia, no noroeste da Espanha, sofreu nesta terça-feira, 08, com os incêndios que atingiram as suas florestas. Apesar de variarem conforme o vento e a umidade, havia registros de 67 incêndios ativos e 42 controlados. Segundo fontes do governo, as províncias mais afetadas foram Pontevedra e La Coruña. Na última semana, já foram queimados 5 mil hectares de florestas na região.Muitos dos focos de queimadas são propositais. Nos últimos dias, foram detidas cinco pessoas como suspeitas de provocá-los. Foi reforçada a vigilância e ampliadas as investigações sobre a proliferação do fogo na região. com o acréscimo de mais 100 agentes especializados.Os incêndios já causaram três mortes na região. Duas mulheres morreram carbonizadas em Cerdedo, na sexta-feira, após ficarem presas em uma estrada atingida pelo fogo. No domingo, um homem foi vítima das chamas em uma casa de Campo Lameiro.Nesta terça, 1.600 pessoas combatiam o incêndio. Um hidroavião com dois operários envolvidos na operação caiu no mar perto da praia de Raxó. Não houve feridos. Os fortes ventos e a seca dos últimos cinco anos dificultavam o trabalho das equipes.Outras regiões da Espanha também foram afetadas. Segundo a ministra do Meio Ambiente, Cristina Narbona, o risco de queimadas na Galícia, Catalunha, nas ilhas Baleares e no sul da Espanha hoje é "extremo".PortugalPortugal também sofre com os incêndios, muitos deles também intencionais. A polícia portuguesa informou hoje que já prendeu 18 pessoas suspeitas de cometerem incêndios criminosos no último mês.Nesta terça, cerca de mil bombeiros lutavam para controlar dez focos de queimadas no centro e no norte de Portugal. Segundo o vice-diretor da polícia do país, Pedro do Carmo, entre 20% e 30% dos incêndios são criminosos. "Esperamos realizar mais prisões nos próximos dias", garantiu Carmo. "Alguns agem por vingança, outros estão bêbados ou simplesmente são desajustados da sociedade."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.