Gâmbia prende espanhóis por 'propostas homossexuais'

Relações homossexuais são consideradas ilegais no país; presidente ameaçou 'cortar a cabeça' de gays

Agência Estado e Associated Press,

02 de junho de 2008 | 18h07

Autoridades na Gâmbia prenderam dois espanhóis por supostamente fazerem "propostas homossexuais" a taxistas. O caso foi revelado nesta segunda-feira, 2. Menos de três semanas atrás, o presidente do país, Yahya Jammeh, ordenou que os gays deixem o país do oeste africano. Além disso, Jammeh ameaçou "cortar a cabeça" de qualquer homossexual. Os cidadãos espanhóis foram detidos na sexta-feira. O porta-voz da polícia Sulayman Secka disse que taxistas os denunciaram por oferecerem sexo em troca de dinheiro. Secka se recusou a dar outras informações nem disse quando os estrangeiros seriam libertados. As relações homossexuais são consideradas ilegais na Gâmbia. Os condenados por atos homossexuais consensuais podem pegar até 14 anos de prisão no país africano. "Nós estamos em um país dominado por muçulmanos e eu não permitirei tais indivíduos no país", disse o presidente recentemente. A controvérsia em relação ao homossexualismo tem crescido na África nos últimos anos, com vários países impondo legislações restritivas sobre o tema.

Tudo o que sabemos sobre:
Gâmbiahomossexuais

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.