Gana recebe Bush, mas rejeita tropas dos EUA

Gana ofereceu na terça-feira uma recepçãocalorosa ao presidente norte-americano, George W. Bush, masdisse que o país não está disposto a receber tropas dos EstadosUnidos em seu território. Bush, no último ano de mandato, aproveita a viagem à Áfricapara pedir apoio aos esforços para resolver as crises no Quêniae em Darfur. Mas o principal objetivo da missão é destacarcasos de sucesso num continente mais lembrado por guerras,golpes, corrupção e fome. Gana é a quarta e penúltima etapa da viagem. Ele já passoupor Benin, Tanzânia e Ruanda. O país teve alguns golpes deEstado desde que deixou de ser colônia britânica, em 1957, masatualmente é visto por Washington como um modelo deestabilidade e democracia -- o que lhe rende milhões de dólarespor ano em ajuda para educação, saúde e combate à pobreza. "Sob o presidente Bush, a África recebeu mais da políticaexterna dos EUA do que qualquer presidência americanaanterior", disse o chanceler Akwasi Osei-Adjei à Reuters antesda chegada de Bush, que segundo ele deixa um "legado notável"para seu país. Um acordo de 2006 destina 547 milhões de dólares em ajudados EUA -- uma das maiores já concedidas a um país africano --para um programa de cinco anos de combate à pobreza coordenadopela Millennium Challenge Corporation, dos EUA. Além disso, o multibilionário apoio de Bush a projetoscontra a malária e a Aids na África faz com que ele seja bemmais popular no continente do que em geral no resto do mundo. Apesar das cortesias mútuas, Gana deixou claro que hálimites na cooperação. As Forças Armadas do país, respeitadaspor sempre contribuírem com missões internacionais de paz, sebeneficiam do treinamento militar norte-americano, mas ogoverno do presidente John Kufuor, como vários outros daÁfrica, não quer ter uma base ou instalação militar dos EUA emseu território."Nossa soberania é algo que prezamos", disse Osei-Adjei,acrescentando que Gana não pretende aceitar nenhuma parte dorecém-criado comando militar dos EUA para a África (Africom). (Reportagem adicional de Deborah Charles)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.