EFE/MAURICIO DUEÑAS CASTAÑEDA
EFE/MAURICIO DUEÑAS CASTAÑEDA

Gangue oferece recompensa de US$ 1 milhão por assassinato de líderes das Farc, diz advogado

A oferta seria para cada um dos 9 líderes do secretariado do grupo, que criará um partido político; governo desmente planos de assassinato

O Estado de S.Paulo

25 Julho 2017 | 15h59

BOGOTÁ - Uma organização criminosa está oferecendo recompensas de US$ 1 milhão para quer assassinar líderes das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), disse nesta terça-feira o advogado da desmobilizada guerrilha marxista, num momento em que o grupo se prepara para criar um partido político e assumir cadeiras no Congresso, como parte de um acordo de paz.

O governo da Colômbia negou nesta terça-feira a existência de um plano de uma organização criminosa para assassinar os dirigentes da guerrilha. "Não há um plano para assassinar os dirigentes das Farc", disse a jornalistas o ministro da Defesa, Luis Carlos Villegas, na cidade de Ibagué. Ele afirmou que o Estado está garantindo a segurança dos líderes da antiga guerrilha e em seu processo de reinserção vão "dotar" dos "melhores mecanismos" para preservar sua vida.

As Farc lutaram contra o governo por mais de meio século, mas entregaram suas armas como parte do acordo, negociado por mais de quatro anos de conversas em Cuba.

"Temos conhecimento de uma organização criminosa com recursos, que ofereceu até US$ 1 milhão para cada pessoa no secretariado das Farc que for assassinada", disse o advogado espanhol, Enrique Santiago, à rádio local Caracol, referindo-se ao conselho de liderança do grupo.

"Essas ofertas vêm de pessoas que têm os meios econômicos de oferecer não só  US$ 1 milhão, mas US$ 9 milhões, porque há 9 membros do secretariado", disse Santiago, acrescentando que sete ex-membros das Farc foram assassinados desde abril. Ele não nomeou o grupo criminoso que está oferecendo as recompensas.

Tais assassinatos, especialmente de membros da liderança, poderiam prejudicar gravemente o processo de paz. O governo do presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos, tem prometido repetidamente proteger os ex-rebeldes.

 

"Não me consta que tenha sido tomadas medidas para, pelo menos, se anteciparem a estes crimes que já estão acontecendo", concluiu.

O acordo garante às Farc dez cadeiras não eleitas no Congresso até 2026 e anistia para a maioria dos ex-combatentes.

Rebeldes condenados por tribunais especiais por violações de direitos humanos evitarão sentenças de prisão tradicionais, realizando, ao invés disso, trabalhos de reparação como a remoção de minas terrestres. / REUTERS

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.