García: asilo a Rosales é dever de governo democrático

O presidente do Peru, Alan García, disse hoje que não vê possibilidade de atrito nas relações com a Venezuela em razão de ter concedido asilo político ao prefeito de Maracaibo, Manuel Rosales, de oposição a Hugo Chávez. "Temos uma posição de amizade com o governo venezuelano. Mas, no momento, temos um personagem concreto de um cidadão que chega ao Peru e se considera ameaçado. O primeiro dever de um governo democrático é lhe dar proteção. Depois, haverá outras circunstâncias que se pode manter essa proteção ou não. Acho que é um objetivo que podemos cumprir sem que signifique nenhum problema para dois povos unidos historicamente", disse ele, em entrevista concedida após reunião com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em Rio Branco (AC).

LISANDRA PARAGUASSÚ, Agencia Estado

28 de abril de 2009 | 18h54

O governo peruano concedeu asilo político a Manuel Rosales ontem. Ele era prefeito de Maracaibo e um crítico do governo de Hugo Chávez. O oposicionista chegou ao Peru no último dia 4 em busca de asilo por considerar-se perseguido pelo governo da Venezuela. Rosales é alvo de um processo na Justiça por enriquecimento ilícito durante sua gestão como governador do Estado de Zulia, entre 2000 e 2004.

Em reação à decisão peruana, o governo Chávez convocou para consultas seu embaixador em Lima a fim de fazer uma "revisão" da relação com o Peru. Em comunicado, a chancelaria venezuelana rechaçou o asilo outorgado a Rosales, que também foi ex-candidato presidencial, e decidiu pelo "retorno imediato a Caracas de seu embaixador em Lima" e o "início de uma fase de avaliação integral de suas relações com o governo desse país".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.