Garcia: Brasil ajudou na libertação de presos cubanos

O Brasil reivindica para si parte do sucesso na negociação para a libertação de presos políticos em Cuba. "Nós ajudamos", disse o assessor da Presidência para Assuntos Internacionais, Marco Aurélio Garcia. Na África do Sul, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o chanceler Celso Amorim comemoraram o gesto de Havana. "Foi ótimo", afirmou Lula.

AE, Agência Estado

10 de julho de 2010 | 08h48

Garcia não deu detalhes de qual foi o papel do Brasil na negociação. "Atuamos na surdina, sem alardes", disse. O assessor destacou o papel da Igreja na negociação. "Eles estavam na hora certa e no lugar certo para bater para o gol", disse. Ele afirmou que Lula abordou o tema dos presos com o presidente Raúl Castro, durante a visita que fez à ilha em fevereiro. Na época, Lula recusou-se a comentar a morte, após uma greve de fome, do dissidente Orlando Zapata Tamayo.

O governo cubano prometeu na quarta-feira libertar 52 presos de consciência na ilha. Se levada adiante, essa será a maior libertação de dissidentes cubanos desde 1998, quando 299 foram soltos após uma visita do papa João Paulo II a Cuba. Os opositores beneficiados foram presos em 2003 na repressão conhecida como "Primavera Negra", na qual 75 foram detidos sob acusação de conspirar com os Estados Unidos. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.