García deixou país com 7.600% de inflação ao ano

Alan García Pérez, que governou o Peru de 1985 a 1990, nasceu em Lima há 52 anos, numa família de classe média e de tradicional militância na centro-esquerdista Aliança Popular Revolucionária Americana (Apra). Assumiu a presidência quando tinha 36 anos, como coroação de uma fulminante carreira política que já o tinha elevado aos mais altos postos da liderança da Apra, o histórico partido fundado em 1930 pelo caudilho populista Víctor Raúl Haya de la Torre.Mas seu governo, que começou com apoio maciço da população, foi desastroso para a economia do país. A tal ponto que muitos peruanos o consideram o pior presidente da história do Peru. García suspendeu o pagamento da dívida externa ? limitando as parcelas a serem amortizadas a 10% da receita de exportação do país ?, tentou estatizar o sistema bancário e, quando deixou o poder, a inflação atingia a incrível cifra de 7.600% ao ano.Em 1991, o Congresso peruano pediu à Justiça que processasse García por supostos delitos de corrupção. O ex-presidente passou então a denunciar uma ?perseguição política? por parte de Fujimori e em 1992 exilou-se na Colômbia e depois na França. Só voltou ao Peru em fevereiro, com Fujimori fora do poder e as acusações prescritas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.