Garcia diz que Brasil pode rever posição sobre Honduras

Antes taxativo, o governo brasileiro já admite que pode mudar de posição sobre a escolha de Porfírio "Pepe" Lobo para a presidência de Honduras. Ontem, em Portugal, onde participa da Cúpula Ibero-Americana, o assessor do Planalto para Assuntos Internacionais, Marco Aurélio Garcia, disse que "se o Brasil considerar que tem de mudar de posição, o Brasil mudará de posição".

AE, Agencia Estado

01 de dezembro de 2009 | 11h48

Ele também confirmou - mesmo se esforçando para negar - a mudança de estratégia do Brasil. Primeiro, reafirmou que o governo não aceita o resultado das urnas hondurenhas. "Nós não reconhecemos as eleições. Houve um golpe de Estado e as eleições foram utilizadas, em grande medida, para legitimá-lo." A seguir, entretanto, disse que o Brasil está disposto a ouvir o presidente eleito, com a condição de que Lobo se manifeste na Organização dos Estados Americanos (OEA) e explique seus "planos para o futuro".

"Será muito importante a posição que o senhor Porfírio terá em relação à OEA", afirmou Garcia. "Queremos saber se ele vai se dirigir ao secretário-geral e se ele vai considerar a OEA como um interlocutor legítimo. Esse conjunto de sinais, de gestos, é que vai nos permitir avaliar a decisão e dizer quais serão os próximos passos."

Garcia também citou como "fatos relevantes" que precisam ser esclarecidos o grau de comparecimento às urnas e a legitimidade do processo eleitoral. "Precisamos examinar a evolução da situação hondurenha. Estamos saindo de uma situação muito recente." Por fim, ele negou que haja incoerência ou divergências sobre a posição do país. "Não mudou nada. Essa é a posição do presidente Lula. E não há nenhuma divergência interna no governo." As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
HondurascriseBrasilGarcia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.