Garota de 14 anos sobrevive após queda de Airbus no Índico

Avião da Yemenia levava 153 pessoas e viajava do Iêmen a Comores, na costa leste da África

30 de junho de 2009 | 12h37

Uma grande operação de resgate foi organizada nesta terça-feira, 30, depois que uma jovem de 14 anos foi resgatada com vida em meio aos destroços do Airbus A310 da companhia aérea Yemenia, que caiu no Oceano Índico com 153 pessoas a bordo. Mais cedo, autoridades informaram que o único sobrevivente encontrado até o momento seria uma criança de 5 anos. 

 

Veja também:

linkInspeção havia detectado defeitos em avião que caiu , diz ministro francês

lista Principais acidentes com aviões da Airbus desde 1990

especialCronologia dos piores acidentes aéreos do mundo

especialCronologia das tragédias da aviação brasileira

 

O avião caiu quando se aproximava do aeroporto internacional de Moroni, nas Ilhas Comores. Segundo a BBC, o voo IY626 era o trecho final de uma rota que se iniciou em Paris, na França, com conexão no Iêmen até Comores. O trecho Paris-Marseille-Iêmen do voo da Yemenia foi percorrido em um Airbus A330. Em Sanaa, os passageiros que se destinavam a Comores trocaram de aeronave, embarcando no A310 que acabou caindo. A Airbus informou que o avião datava de 1990 e tinha 51,9 mil horas de voo. Ele foi comprado "de segunda mão" pela companhia em outubro de 1999.

 

Ibrahim Abdourazak, uma autoridade no centro de crise em Comores, disse à Reuters que a menina de 14 anos era de um vilarejo no centro do arquipélago no oceano Índico. Hadji Madi Ali, diretor do aeroporto internacional em Morini, havia dito anteriormente à rádio nacional que a menina resgatada tinha 5 anos. Ele disse também que cinco corpos também foram encontrados.

Entre as 153 pessoas que viajavam no avião, havia 11 membros da tripulação e 142 passageiros, entre eles três bebês. A autoridade aeroportuária de Paris disse que 66 franceses estavam a bordo do avião, que percorria o trecho final de um voo que levava passageiros de Paris e Marseille para Comores, via Iêmen. Um grande número de iemenitas também estava a bordo. 

 

Dois aviões militares e um navio franceses deixaram as ilhas de Reunião e Mayotte, no oceano Índico, para ajudar nas buscas. "Os aviões viram destroços no suposto ponto de impacto", disse Ibrahim Kassim, uma autoridade do organismo regional de segurança aérea ASECNA, à Reuters. 

 

Este é o segundo Airbus a cair no mar no último mês, após o acidente com o Airbus A330-200 que voava do Rio de Janeiro a Paris quando se acidentou no oceano Atlântico com 228 pessoas a bordo em 31 de maio. Um relatório preliminar sobre esse acidente deve ser divulgado na quinta-feira.

 

O ministro dos Transportes da França, Dominique Bossereau, disse que falhas haviam sido detectadas durante inspeções na França no A310 da Yemenia e que a aeronave não havia retornado ao país europeu desde então. O ministro dos Transportes do Iêmen disse que o avião da Yemenia passou por uma inspeção em maio sob supervisão da Airbus. A prioridade do Iêmen se concentra em encontrar mais sobreviventes, disse o ministro, acrescentando que a busca pela caixa-preta ainda não começou.

 

Texto atualizado às 14h50.

Tudo o que sabemos sobre:
IêmenFrançaacidente aéreo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.