Garotos chineses que atearam fogo em cibercafé pegam prisão perpétua

Um tribunal chinês condenou dois garotos, um deles com 14 anos, à prisão perpétua por causarem um incêndio em um cibercafé de Pequim, que causou a morte de 25 pessoas em junho, informou a agência de notícias oficial Xinhua. O veredito foi emitido hoje pela Corte do Povo Número Um de Pequim. A agência apenas mencionou os sobrenomes dos garotos: Liu e Song. Uma menina acusada de ajudar os garotos, identificada como Zhang, também foi condenada a 12 anos de prisão, e um quarto acusado, de 13 anos, foi levado a um centro de reabilitação infantil. Segundo a Xinhua, os meninos foram acusados de causar o incêndio para vingar-se dos empregados do local, com os quais haviam se desentendido duas semanas antes da tragédia. De acordo com a agência, os garotos escaparam da pena de morte porque eram menores. As idades do segundo garoto e da menina não foram informadas.

Agencia Estado,

30 Agosto 2002 | 17h14

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.