Garza deve ser executado amanhã nos EUA

A Corte Suprema dos Estados Unidos negou-se nesta segunda-feira a postergar a execução, programada para as 7h locais desta terça, de Juan Raúl Garza, condenado por assassinatos ocorridos quando ele encabeçava um bando de narcotraficantes.Em seguida, o presidente dos EUA, George W. Bush, negou o pedido de clemência de Garza. A decisão de Bush abre caminho para o prosseguimento da execução. O máximo tribunal norte-americano, sem emitir maiores comentários, negou-se também a analisar uma apelação de Garza, segundo a qual o corpo de jurados deveria ser informado sobre o fato de que há uma alternativa para a pena de morte: a prisão perpétua sem direito à liberdade condicional. Posteriormente, o tribunal também rechaçou o argumento de que a condenação de Garza viola tratados internacionais de direitos humanos. Garza, cidadão norte-americano nascido no México, foi condenado por ordenar ou perpetrar três assassinatos relacionados com seu cartel, estabelecido na cidade de Brownsville, no Estado norte-americano do Texas, na década de 90. Garza poderá converter-se no segundo réu federal executado nos últimos 38 anos, depois do terrorista de Oklahoma City, Timothy McVeigh. Nesta segunda, Garza já foi levado para a prisão federal de Terre Haute no Estado de Indiana, a mesma onde McVeigh foi executado na semana passada.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.