Gases atrasam resgate de mineradores da Nova Zelândia

Gases tóxicos impedem que equipes de resgates entrem em uma mina de carvão na Nova Zelândia, onde uma forte explosão deixou 29 trabalhadores presos. Parentes angustiados manifestavam indignação sobre os atrasos das operações de resgate desde a explosão, que ocorreu na sexta-feira. "Se dependesse de mim, eu estaria lá embaixo; eu mesma entraria dentro da mina", disse Laurie Drew, cujo filho de 21 anos era um dos homens desaparecidos após a explosão.

AE-AP, Agência Estado

20 de novembro de 2010 | 13h00

Organizadores do resgate afirmaram que o nível de monóxido de carbono e metano era muito elevado neste sábado para que fossem enviados socorristas à mina Pike River. Dois mineradores conseguiram chegar à superfície depois da explosão, ontem, mas não havia nenhum sinal vindo dos outros 29.

A polícia disse que acredita que os mineradores, com idades que variam de 17 a 62 anos, estejam cerca de dois quilômetros distantes do túnel principal. "Infelizmente, não é tão simples quanto colocar uma máscara, uma roupa e correr para lá", afirmou o superintendente controlador de buscas da polícia, Gary Knowles, à emissora TV One. "Representa um perigo para aqueles que estão lá embaixo e um risco para o staff que entrar lá dentro", afirmou. Knowles disse que as equipes de resgates ficarão sem agir até que se quantifique a presença dos gases, no início de domingo.

Ele está confiante de que os 16 mineradores contratados e os outros 13 mineradores terceirizados tenham sobrevivido. "Esta é uma operação de busca e resgate e nós vamos trazer esses homens para casa", disse Knowles.

Problemas no fornecimento de energia frustram os esforços de envio de ar fresco e as tentativas para tornar o caminho seguro às equipes de resgate. Ainda assim, Whittall disse que está sendo enviado ar fresco para algum lugar da mina e é admissível pensar que "há um grande número de homens sentados no final da linha esperando e imaginando o porquê de estarmos esperando para tirá-los de lá", completou. Uma linha de telefone de trabalho que ficava no final da mina, no entanto, seguia sem atendimento.

Dois mineradores desorientados e levemente machucados chegaram à superfície horas após a explosão por um duto de ventilação. Os homens foram levados ao hospital para tratamento e estavam sendo entrevistados para determinar o que aconteceu. Whittall disse que um dos dois homens usou o telefone para contactar a superfície antes de sair da mina. A explosão ocorreu em uma mina localizada perto de Atarau, na Ilha do Sul. É a maior mina subterrânea da Nova Zelândia.

Tudo o que sabemos sobre:
Nova Zelândiaminasoterrados

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.