Gases de dinossauros aqueciam a Terra, diz estudo

Um estudo feito por cientistas britânicos sugere que os gases emitidos pelos dinossauros ajudaram a manter o clima da Terra aquecido há 200 milhões de anos, quando esses animais gigantescos viviam no planeta. A pesquisa foi publicada nesta segunda-feira na revista Current Biology e sugere que os dinossauros fizeram um contribuição significativa com seus gases para manterem a Terra aquecida. O autor do estudo, David Wilkinson, da Universidade John Moores em Liverpool, estima que os dinossauros emitiam 570 toneladas de metano por ano com seus gases.

AE, Agência Estado

07 Maio 2012 | 20h13

Wilkinson fez o cálculo baseado em uma estimativa da possível população de dinossauros que existia na Terra há 200 milhões de anos. As vacas, atualmente, produzem quase 100 toneladas por ano de metano com seus gases. A figura de 570 toneladas de metano por ano corresponderia ao que hoje é emitido por todos os animais criados nas fazendas e pela indústria.

Wilkinson disse que os gases dos dinossauros foram apenas um dos fatores que ajudaram a manter o clima na Terra aquecido naquele período. O clima do planeta inteiro era quase tropical, com uma média de temperatura 10 graus Celsius superior à média atual. Wilkinson disse que alguns cientistas e parte da mídia interpretaram de maneira errada o estudo, ao dizerem que os gases dos saurópodes foram o principal fator que aqueceu a Terra há 200 milhões de anos. Wilkinson disse que foram apenas uma das causas. Os cientistas acreditam que os dinossauros foram extintos após um meteoro ter se chocado contra a Terra há 65 milhões de anos e ter esfriado o clima, o que provocou a morte dos animais gigantescos.

Outros cientistas minimizaram a importância atual do estudo. "Francamente, as emissões de gás metano pelos dinossauros não são a principal coisa que deveria nos preocupar na sociedade moderna", disse o cientista do clima Andrew Weaver, da Universidade de Victoria, no Canadá.

As informações são da Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.