Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Gastos militares regionais sobem 91% em 5 anos

Estudo revela reposição de tecnologia antiga e descarta ?corrida armamentista? latino-americana

AFP e Efe, Londres, O Estadao de S.Paulo

28 de janeiro de 2009 | 00h00

Os gastos militares latino-americanos quase dobraram nos últimos cinco anos, mas não configuram uma "corrida armamentista" regional, segundo um informe divulgado ontem pelo Instituto Internacional de Estudos Estratégicos de Londres.De 2003 para 2008, o investimento dos países da região em tecnologia militar passou de US$ 24,7 bilhões para US$ 47,2 bilhões. O Brasil registrou queda nos gastos de Defesa entre 2000 e 2004, mas acumulou um aumento de 10% nos últimos três anos, totalizando US$ 20,1 bilhões só em 2008.Segundo os especialistas, tanto o Brasil quanto a Colômbia foram beneficiados pela alta nos preços de matérias-primas, que permitiram o aumento dos gastos militares.O estudo ressalva que "muitos dos recentes programas de modernização militar anunciados na região equivalem a uma substituição de tecnologia velha" e que "apesar de artigos em jornais da região sugerirem que estas aquisições de armas reflitam a emergência de uma corrida armamentista regional, deve-se lembrar que grande parte do equipamento militar atualmente em serviço data de 1950 e 1960".Apesar da distorção provocada pela queda do dólar, os gastos militares de 2007 representaram 1,3% do Produto Interno Bruto (PIB) da região. Há dez anos, esse porcentual era de 1,42%. A Venezuela, por exemplo, destinou 1,2% de seu PIB para Defesa em 2008 e planeja gastar 1,3% em 2009, o que equivale a US$ 3 bilhões, embora os especialistas acreditem que esse valor ainda possa subir. Entre as recentes aquisições do governo Hugo Chávez, estão 24 caça-bombardeiros Sukhoi, 100 mil fuzis Kalashnikov e 50 helicópteros militares.Além do Brasil, da Venezuela e da Colômbia, o Chile também aumentou seu orçamento para US$ 2,3 bilhões, ou 8,3% a mais que em 2007. Um dos motivos é a alta no preço do cobre, principal produto de exportação do país. O informe prevê, entretanto, que a crise financeira acabe freando os gastos com Defesa a partir de agora.CORRUPÇÃOO Senado chileno decidiu abrir na sexta-feira uma investigação parlamentar sobre a denúncia de cobrança de comissões para a compra de 25 caças Mirage, em 1994. As compras foram concluídas durante o governo de Eduardo Frei, cotado para disputar a presidência pela coligação governista nas eleições de dezembro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.