Gates acusa Teerã de atividades subversivas

Secretário diz que influência iraniana na América Latina é ?preocupante?

Reuters e AP, Washington, O Estadao de S.Paulo

28 de janeiro de 2009 | 00h00

O secretário americano de Defesa, Robert Gates, disse ontem que as atividades do Irã na América Latina preocupam mais os EUA do que os esforços da Rússia para ampliar sua influência na região. Em declarações à Comissão das Forças Armadas do Senado, nas quais explicou as diretrizes do novo governo em matéria de segurança e defesa, Gates acusou o Irã de realizar atividades subversivas em várias partes da América Latina. Apesar de o secretário não ter identificado nenhum país, o presidente iraniano, Mahmud Ahmadinejad, visitou nos últimos meses Venezuela, Bolívia, Equador e Nicarágua. As declarações de Gates foram em resposta à pergunta do senador Mel Martínez sobre se os EUA se sentiam preocupados pelos exercícios navais que a Rússia e a Venezuela realizaram no ano passado e com a "intromissão" do Irã em Cuba e Venezuela."Para ser honesto, estou mais preocupado pela intervenção iraniana do que com os russos. Creio que a melhor resposta à visita dos navios russos à Venezuela foi ignorá-la", disse Gates. "Eles (os iranianos) estão abrindo muitos escritórios e frentes pelos quais interferem no que está ocorrendo em alguns desses países", acrescentou, sem dar mais detalhes.O secretário disse que o governo de Barack Obama manterá os ataques com mísseis contra o Paquistão, enquanto membros da Al-Qaeda continuarem escondidos em território paquistanês. Gates descreveu o Afeganistão como o maior desafio militar dos EUA e advertiu que a guerra pode ser perdida se o Ocidente fracassar em lidar com o problema da morte de civis. O governo Obama considera ampliar as forças americanas no Afeganistão de 36 mil para 60 mil em 18 meses.Apesar de a China ter ampliado seu orçamento de Defesa nos últimos anos, o chefe do Pentágono disse que os EUA estão preparados para enfrentar qualquer ameaça militar do país asiático.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.