Gates diz ter provas de envolvimento militar do Irã no Iraque

Números de série e marcas em explosivos usados no Iraque oferecem uma "boa evidência" de que os iranianos estão abastecendo militantes no país com armas e tecnologia, afirmou nesta sexta-feira o secretário de Defesa dos EUA, Robert Gates.Oferecendo pela primeira vez em público detalhes das supostas provas colhidas por seus militares, Gates disse: "Acho que existem alguns números de série, podem haver algumas marcas em alguns fragmentos de projéteis que encontramos", que apontam para o Irã.Ao mesmo tempo, entretanto, ele afirmou ter ficado surpreso com a prisão de iranianos em recentes buscas promovidas pelas tropas americanas no Iraque.Na semana passada, Gates dissera que militares dos EUA em Bagdá iriam informar repórteres sobre o que é sabido a respeito do envolvimento iraniano no Iraque, mas ele e outros oficiais intervieram para adiar a apresentação a fim de garantir que a informação oferecida fosse correta.Falando a repórteres numa conferência de ministros da Defesa da Otan, Gates comentou: "Não acho que foi uma surpresa o fato de os iranianos estarem realmente envolvidos, acho que a surpresa foi termos na verdade pego alguns."Ele e outras autoridades americanas disseram durante algum tempo que iranianos, e possivelmente o governo do Irã, providenciaram tecnologia em armas e explosivos a insurgentes do Iraque.O governo americano acusa o Irã de tentar interferir no Iraque e lança suspeitas sobre os objetivos do programa nuclear conduzido por Teerã. A República Islâmica afirma ter apenas finalidades civis.Recentemente, o presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, ordenou aos soldados americanos que ajam contra iranianos suspeitos de colaborarem com a insurgência iraquiana e enviou um novo porta-aviões ao Golfo Pérsico como forma de alerta ao Irã.Mais de 3.000 americanos morreram no Iraque em aproximadamente quatro anos de guerra.A administração de Bush prometeu explicações detalhadas das alegações que o Irã está contribuindo com a violência ou a instabilidade no Iraque, mas não liberou o dossiê ainda.A secretária de Estado, Condoleezza Rice, e outras autoridades têm encarado questões dos legisladores sobre a força das evidências e dos paralelos que a administração atribui sobre o Iraque antes da invasão de 2003. "Sob as circunstâncias e dada a atenção que isso tem conseguido, nós queremos ter certeza de que daremos a vocês a melhor informação possível, mas fazer isso de um modo que não comprometa fontes e métodos, que não faça tudo mais difícil para lidarmos com a situação", disse Tom Casey, porta-voz do Departamento de Estado.EUA pedem tropasEUA e líderes militares da Otan, em recentes meses, pediram repetidamente aos membros da aliança para mandar reforços e suspender restrições onde suas tropas podem servir. Na quinta-feira, Gates assegurou ter recebido pequenas ofertas de algumas nações, mas encontrou resistências de aliados-chave. França e Alemanha estão questionando a decisão de enviar mais soldados, enquanto Espanha, Itália e Turquia também estão incertos quanto ao assunto. "Quando os russos estavam no Afeganistão, possuíam 100.000 soldados e não venceram", disse o ministro da Defesa da Alemanha, Franz Josef Jung, a repórteres.A Lituânia, que já possui 130 soldados em solo afegão, ofereceu enviar um número não especificado de forças especiais, ajudando a preencher uma recente queda importante.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.