Gates: reforço afegão poderá ser maior que o previsto

Sabatinado pelo segundo dia consecutivo no Senado, o secretário de Defesa dos Estados Unidos, Robert Gates, admitiu ontem que a quantidade de soldados enviados ao Afeganistão pode ultrapassar os 30 mil anunciados na terça-feira pelo presidente Barack Obama. Gates disse que Obama lhe garantiu "flexibilidade" para adequar o reforço às necessidades do front.

AE-AP, Agencia Estado

04 de dezembro de 2009 | 09h52

Concretamente, o Pentágono poderá enviar, além dos 30 mil militares, mais 3 mil soldados - sobretudo paramédicos e especialistas antibomba. Vários senadores, incluindo nomes de peso do Partido Democrata, voltaram a atacar ontem o plano de Obama. A maioria argumenta que a nova estratégia evitará o aumento da insurgência no Paquistão.

Para os republicanos, ainda não está claro como o reforço contribuirá para reduzir a insurgência no Paquistão. Até agora, Washington tem adotado uma política ambígua em relação a Islamabad. Ao mesmo tempo em que se aproxima do presidente Asif Ali Zardari, continua a atacar militantes com aviões não-tripulados - ação que mata civis e é condenada pelos paquistaneses. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
EUAAfeganistãoreforçosoldados

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.