Gates visita Afeganistão e fala sobre retirada de tropas

Segundo o secretário de Defesa dos EUA, Obama poderá apresentar um plano de retirada das tropas

AE, Agência Estado

06 de junho de 2011 | 14h20

Robert Gates diante de soldados em uma base em Paktika, no Afeganistão

 

CABUL - O secretário de Defesa dos Estados Unidos, Robert Gates, prosseguiu nesta segunda-feira, 6, com sua última visita no cargo ao Afeganistão. Segundo ele, o cronograma para a retirada das tropas americanas do país pode incluir a saída progressiva dos 30 mil soldados enviados como reforço no ano passado.

 

Veja também:

linkVISÃO GLOBAL: Custo da guerra divide governo americano

 

Gates indicou pela primeira vez no domingo que o presidente dos EUA, Barack Obama, pode apresentar um plano de longo prazo para os níveis das tropas americanas em território afegão nos próximos anos.

 

Obama deve divulgar em breve quantos soldados americanos voltarão para casa já em julho, conforme a segurança passa ao controle de tropas afegãs em sete áreas. Há relatos de que o número pode ser maior do que o planejado há algumas semanas.

 

Quantos e quando

 

O cronograma prevê a conclusão da retirada até o fim de 2014. Falando a Marines na província de Helmand, no sul afegão, Gates disse que há dois temas pela frente: o número de soldados que sairão do país em julho, e quando ocorrerá a retirada do reforço enviado em 2010.

 

Obama enviou no ano passado 30 mil soldados ao Afeganistão, para reverter os ganhos da insurgência do Taleban, que se tornava cada vez mais mortífera desde a invasão liderada pelos EUA em 2001. Gates disse que esse reforço é "temporário".

 

Hoje, Obama se reuniu com sua equipe de segurança nacional para discutir a guerra afegã. A morte do líder da Al-Qaeda, Osama bin Laden, em uma operação de forças especiais americanas no mês passado no Paquistão pode apressar a retirada.

 

Gates deixará o cargo no final deste mês.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.