Gays republicanos retiram apoio a Bush

A maior organização de gays e lésbicas do Partido Republicano, que apoiou George W. Bush na eleição de 2000, negou-se a referendar sua candidatura à reeleição. O comitê nacional do Log Cabin Republicans decidiu, por 22 a 2, retirar o apoio e considerou que Bush foi "desleal" com 1 milhão de gays e lésbicas que, segundo o grupo, apoiaram sua candidatura quatro anos atrás. "É impossível exagerar a raiva e desapontamento causadas pelo apoio do presidente à emenda constitucional antifamília. Esta emenda iria não apenas impedir o casamento gay, ela iria também colocar em risco uniões civis e parcerias domésticas", afirmou o diretor do grupo, Chris Barron, referindo-se a uma proposta de emenda constitucional que define o casamento, em termos estritos, como a união entre homem e mulher.O diretor-executivo do grupo, Patrick Guerriero, avaliou que a administração passou de uma relutância inicial em relação ao banimento do casamento gay para o pleno apoio à proposta, depois que os responsáveis pela campanha de Bush decidiram concentrar os esforços de reeleição na tentativa de levar os evangélicos republicanos, que se abstiveram em 2000, às urnas neste ano. O grupo também denunciou a falta de clareza do candidato democrata John Kerry sobre a questão do casamento gay. Kerry se opõe ao casamento gay, mas apóia a união civil.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.