Gaza: Hamas pede a facções que respeitem trégua

O primeiro-ministro palestino em Gaza, Ismail Haniye, conclamou nesta quinta-feira todas as facções armadas presentes no sitiado território litorâneo a respeitarem a trégua obtida na véspera com Israel.

AE, Agência Estado

22 de novembro de 2012 | 11h52

"Eu saúdo as facções da resistência que respeitam o acordo desde sua entrada em vigor e peço a todos que o respeitem e ajam de acordo", declarou o chefe de governo da Faixa de Gaza, filiado ao grupo islâmico Hamas.

Também nesta quinta-feira, o presidente da Autoridade Nacional Palestina (ANP), Mahmud Abbas, telefonou para Haniye e o parabenizou por sua "vitória", informou o Hamas por meio de nota.

"Numa conversa por telefone, o presidente Abu Mazen (nome pelo qual Abbas é conhecido entre os palestinos) parabenizou o primeiro-ministro Ismail Haniye, do Hamas, por sua vitória e enviou seus pêsames pelos mártires", detalha a nota.

Ao mesmo tempo, Haniye e dois funcionário do alto escalão do Hamas em Gaza, Ahmed Bahar e Mohammed al-Hindi, manifestaram "apoio à iniciativa nacional de status de observador da Organização das Nações Unidas (ONU) em 29 de novembro", informou por sua vez a agência oficial de notícias Wafa, ligada à ANP.

Enquanto as autoridades palestinas declaravam vitória apesar do elevado custo humano da ofensiva israelense contra a Faixa de Gaza, os moradores do território esforçavam-se hoje para remover os escombros de oito dias de bombardeios em resposta aos persistentes disparos de foguetes por grupos armados palestinos.

Ao todo, 161 palestinos morreram em oito dias de bombardeios israelenses contra Gaza, sendo 71 civis. No mesmo período, cinco israelenses morreram em disparos de foguetes palestinos, inclusive três civis. As informações são da Dow Jones e da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
ISRAELGAZAHAMAS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.