Gaza vive sob escombros e tensão 2 anos após ofensiva

Dois anos após a ofensiva israelense, que deixou 1,4 mil palestinos mortos em 23 dias na Faixa de Gaza, os escombros ainda estão por toda a parte, não há luz nas ruas, a vida é monitorada à distância por aviões e navios militares e os confrontos voltaram a fazer parte da rotina.

AE, Agência Estado

27 de dezembro de 2010 | 08h52

Na última semana, campos de treinamentos do Hamas, túneis clandestinos na fronteira com o Egito e uma fábrica de armas foram bombardeados por aviões israelenses. Foram uma retaliação aos últimos 13 foguetes disparados contra Israel - 180 desde janeiro - por facções menores e mais radicais do que o Hamas, que controla o território, como o Exército do Islã. Mas o Hamas é responsabilizado por Israel por não controlar a situação.

Gabi Ashkenazi, comandante do Estado-Maior de Israel confirmou 60 mortes em mais de uma centena de embates com militantes em 2010. Em uma reunião do Comitê de Defesa e Relações Internacionais na Knesset, na terça-feira, Ashkenazi classificou a situação como "frágil, volátil e explosiva".

A população vive na iminência de uma nova guerra, sem ter conseguido se recuperar da outra. "Às vezes é impossível respirar. A poeira do concreto, o lixo sendo queimado na rua, o esgoto...", diz o farmacêutico Ayman Nimer.

Ironicamente, um dos setores mais pulsantes da economia na Faixa de Gaza hoje vem do entulho deixado pelos bombardeios. Na principal via de acesso, a rua Al-Montar, crianças e jovens vasculham as ruínas do antigo distrito industrial em busca de ferro e pedras para vender às empresas de reciclagem, já que o bloqueio imposto por Israel proíbe a entrada de material de construção.

A única central elétrica em Gaza, bombardeada em 2008, parou de funcionar. Os hospitais operam com geradores, mas é comum faltar combustível. E 70% da população não têm acesso a água potável, porque falta eletricidade ou os encanamentos estão destruídos. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
IsraelpalestinosGazacotidiano

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.