Gêmeas Bush se transformam em heroínas dos jovens

As filhas do presidente dos EstadosUnidos, as gêmeas Bush, estão se transformando para milhões dejovens norte-americanos em heroínas de uma silenciosa rebeliãocontra as leis que impedem os menores de 21 anos de comprar ouconsumir bebidas alcoólicas em público. "O que ocorreu a Jenna e a Barbara é a prova do absurdo dosistema: temos todas as responsabilidades de um adulto, mas nemtodos os privilégios", afirmou Asia Allen, uma residente deBoston de 18 anos, em solidariedade com as filhas de Bush. As gêmeas Barbara e Jenna foram surpreendidas pela polícia emum bar de Austin enquanto tentavam comprar ilegalmente bebidasalcoólicas. George W. Bush, então governador do Texas, ele mesmoum alcoólatra "arrependido", foi quem assinou a lei de 1997que agora castiga suas filhas. Para muitos jovens dos EUA, a odisséia judicial das gêmeas éo espelho de uma frustração comum: a de sábado à noite, quandoas cédulas de identidade falsas constituem uma rotina, embora osjovens que as utilizam não apareçam na primeira página dosjornais nem são surpreendidos cometendo o delito. "A única razão para que as jovens fossem castigadas é porqueelas são filhas do presidente", afirmou Emerald Gravel, umaluno da Northeastern University. Para a mídia, no entanto, o fato era demasiado saboroso paradeixá-lo de lado como ocorreu há um mês, quando Jenna foimultada por posse ilegal de bebidas alcoólicas. Se em abril a notícia foi ignorada pela imprensa, desta vezinvadiu as primeiras páginas com títulos sarcásticos: "Jennaand tonic (um trocadilho com gin e tônica)", foi a manchete dotablóide New York Post. Por sua vez, o porta-voz da Casa Branca, Ari Fleischer,invocou para as "primeira filhas" o direito à privacidade. Maspara muitos jornalistas que haviam se contido depois do primeiroincidente de Jenna, desta vez foi impossível não comentar oassunto. "Como filhas do presidente têm direito a uma zona deprivacidade e a imprensa não deve persegui-las. Mas serepetidamente cometem erros e dão desgosto a seus pais, sãonotícia", explicou o chefe de redação em Washington do DailyNews.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.