Generais alertam para escalada de violência durante o Ramadã

Oficiais da alta hierarquia militar dos Estados Unidos alertaram nesta quarta-feira que haverá uma escalada na violência em Bagdá durante o mês sagrado islâmico do Ramadã. O alerta foi dado no momento em que a violência levou a vida de cerca de 65 pessoas em dois dias. Apenas nesta quarta-feira, explosões de bombas e tiros mataram pelo menos 23 pessoas em todo o Iraque, enquanto 10 corpos foram encontrados pela polícia.Segundo os militares dos EUA, um soldado americano foi morto a tiro no nordeste de Bagdá, enquanto um outro perdeu a vida na terça vítima da explosão de uma bomba plantada à beira de uma estrada. Um terceiro morreu na capital durante um "incidente não relacionado ao combate". As fontes não forneceram maiores detalhes.O major-general William B. Caldewell, porta-voz dos militares dos EUA no Iraque, disse nesta quarta-feira acreditar que a atual intensificação dos ataques da Al-Qaeda contra forças americanas ocorreu devido ao chamamento feito em 7 de setembro por Abu Ayyoub al-Masri, também conhecido como Abu Hamza al-Muhajer, que assumiu a liderança do mais temido grupo insurgente no Iraque após a morte de Abu Musab al-Zarqawi num bombardeio em 7 de junho. Os EUA estipularam uma recompensa de US$ 5 milhões pela cabeça do novo líder da Al-Qaeda no Iraque. O comandante das forças americanas em Bagdá, major-general James Thurman, disse à Associated Press que recebeu a ordem de controlar a violência com vistas ao Ramadã, que deverá começar no próximo dia 24. "A ordem que recebi, em preparação ao mês do Ramadã, é reduzir de forma dramática o número de ataques com morteiro, seqüestros, assassinatos e carros-bomba dentro de Bagdá e principalmente tentar reduzir a violência sectária", afirmou o militar.Esquadrões da morte, tanto sunitas como xiitas, percorrem as ruas da capital iraquiana, mas os grupos xiitas aparentemente superam em número os sunitas.Alguns líderes sunitas chegaram a afirmar que ministros xiitas do governo, incluindo o do Interior, estariam ligados aos esquadrões da morte.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.