Generais da ''guerra suja'' pegam prisão perpétua

Os generais da reserva Antonio Domingo Bussi e Luciano Benjamín Menéndez foram sentenciados ontem à prisão perpétua pelo seqüestro, tortura e assassinato do senador Guillermo Vargas Ainasse, do Partido Peronista, em abril de 1976. Foi o primeiro julgamento por delitos cometidos durante ditadura (1976-83) na Província de Tucumán, onde Bussi liderou a chamada "Operação Independência", criada em 1975 pela presidente María Estela Martínez, viúva de Juan Domingo Perón, para aniquilar a insurgência.Por causa de problemas de saúde, o Tribunal Federal de Tucumán concedeu a Bussi o benefício de prisão domiciliar. Bussi, de 82 anos, poderá permanecer no luxuoso condomínio de Yerba Buena, em Tucumán, onde vive. Menéndez, de 81 anos, que foi comandante do Terceiro Exército, que controlava o centro e norte da Argentina, ficará detido em um quartel que durante a ditadura foi usado como centro de torturas.O anúncio de que os militares não seriam colocados em uma prisão comum desatou violentos protestos de grupos de esquerda e filhos de desaparecidos políticos, que tentaram invadir o tribunal. A polícia dissolveu o protesto e várias pessoas ficaram feridas. Centenas de manifestantes pró-Bussi, que protestavam contra a condenação do general, também foram reprimidos pela polícia.Bussi foi um raro caso de um ex-integrante da ditadura que, com a volta da democracia, entrou na política. Nos anos 90, no comando de um partido de extrema direita, o Força Republicana, Bussi foi governador da Província de Tucumán. Em 2003, Bussi venceu as eleições para a prefeitura de Tucumán. Mas foi detido pela Justiça 15 dias antes de tomar posse por causa do caso Vargas Ainasse.Menéndez, que durante o julgamento nunca dirigiu a palavra a Bussi (a quem despreza por ter participado de eleições livres), afirmou que nos anos 70 a Argentina era alvo da cobiça do "comunismo internacional". Segundo Menéndez, "os guerrilheiros daquela época estão hoje no poder".

Ariel Palacios, Buenos Aires, O Estadao de S.Paulo

29 de agosto de 2008 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.