Generais renunciam após assassinato de irmã de ex-presidente

Dois generais da Polícia colombiana renunciaram, após o seqüestro e assassinato de Liliana Gaviria Trujillo, irmã do ex-presidente da Colômbia e ex-secretário-geral da OEA, César Gaviria Trujillo. O presidente colombiano, Álvaro Uribe, admitiu na sexta-feira que o Estado falhou na segurança de Liliana Gaviria, por isso ordenou fazer uma investigação no interior da Polícia. A imprensa local informou hoje que os generais Mauricio Gómez Guzmán e Mario Gutiérrez Jiménez, atual diretor Nacional de Escolas de Polícia, apresentaram sua renúncia, que foi aceita pelo diretor da instituição, general Jorge Daniel Castro. Os dois generais estiveram à frente das regionais de Polícia que têm jurisdição nos departamentos de Risaralda, Caldas, Chocó, Quindío e Tolima e que agora ficou sob o comando do subdiretor da Polícia, general Alonso Arango Salazar. O departamento de Risaralda (centro), foi o epicentro de ações violentas que estremeceram o país. Na quinta-feira passada, desconhecidos seqüestraram e assassinaram a empresária Liliana Gaviria Trujillo, de 52 anos. O segurança que a acompanhava, José Fernando Vélez, também morreu. Liliana Gaviria Trujillo era uma das cinco irmãs do economista liberal César Gaviria, que governou o país entre 1990 e 1994 e depois foi secretário-geral da Organização dos Estados Americanos (OEA) durante dois períodos até 2004.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.