General acusa Taleban de usar civis como escudos

O general da Otan, James L. Jones, afirmou que a milícia taleban tem usado civis como escudo humano e que, no momento das ações militares, isso dificulta distinguir os civis. O general também se desculpou pelas recentes mortes de civis no sul do Afeganistão durante a luta entre militantes do Taleban e forças da Otan."Infelizmente, em uma guerra, quando você está lutando contra insurgentes, é típico dos rebeldes não adotarem as mesmas regras que nós gostaríamos que fossem seguidas", disse Jones em Bagram, onde está localizada a maior base americana no Afeganistão. "No momento da ação, fica difícil separar o civil do militante, e acabamos tendo que tomar uma decisão na dúvida. Os casos em que pessoas inocentes forma mortas ou feridas têm que ser investigados. Eu pessoalmente peço desculpas ao presidente Karzai." Oficiais do Afeganistão afirmaram que entre 30 e 80 civis morreram durante ações militares no distrito de Panjwayi, no sul da província de Kandahar, na última terça-feira. Os números não batem com os da Otan, que afirma que 12 civis morreram, enquanto que entre os militantes, foram registradas entre 50 e 70 mortes. As mortes ocorridas em ações militares em lugares remotos dificultam a divulgação de estimativas exatas.Uma comissão formada a pedido do presidente Hamid Karzai está investigando as ocorrências e, na próxima semana, deve apresentar um relatório sobre o caso, de acordo com um porta-voz da Otan.Karzai tem repetidamente condenado as mortes de civis durante combates entre a milícia Taleban e as forças ocidentais, e declarou que a Otan deve ter a máxima precaução em suas operações militares, depois que nove civis foram mortos durante uma ação em Kandahar. As mortes de civis acontecem exatamente um mês depois de a Otan intensificar as operações na região de Kandahar, onde mais de 500 militantes foram mortos, de acordo com a aliança.Jones disse que a operação tem o objetivo de levar a segurança ao Afeganistão para acelerar a reconstrução do país. Ele afirma que as ações irão prosseguir, mas em escala menor.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.