General alerta para novo teste nuclear norte-coreano

A Coréia do Norte provavelmente vai testar outro artefato nuclear, disse nesta terça-feira o comandante militar norte-americano na Coréia do Sul, general B.B. Bell, sem comentar rumores de que tal teste seria iminente. Autoridades sul-coreanas dizem que foi detectada uma movimentação perto de um suposto local de testes nucleares, mas não há sinais de que Pyongyang pretenda realizar o exercício em breve. O primeiro teste nuclear norte-coreano foi realizado em outubro. "Não há razão para acreditar que, em algum momento no futuro, quando servir aos seus interesses, eles não vão testar outra (bomba atômica)", disse o general B.B. Bell em entrevista coletiva, na qual acrescentou que não ia divulgar informações militares sobre o tema. O general afirmou que as forças norte-americanas e sul-coreanas têm plenas condições de conter uma agressão norte-coreana. A Coréia do Norte diz que seu novo arsenal nuclear servirá contra uma eventual agressão dos EUA, que Washington nega ter intenção de provocar. No mês passado, foram retomadas em Pequim as negociações multilaterais destinadas a convencer Pyongyang a abandonar as armas nucleares, em troca de garantias de segurança e incentivos econômicos. Houve poucos progressos desde então. Bell disse que as forças norte-americanas manterão o exercício militar conjunto anual com tropas sul-coreanas que envolve o transporte de soldados e armamentos para a Coréia do Sul. A Coréia do Norte diz que esse exercício, realizado há anos, é um preparativo para uma invasão e uma guerra nuclear. "O exercício agendado não é provocativo de forma alguma", afirmou Bell. Ele também cobrou mais investimentos de Seul para manter a prontidão de suas forças e acelerar a transferência do contingente norte-americano de um importante quartel em Seul para uma base mais ao sul.Além disso, os dois países precisam implementar o acordo pelo qual, entre 2009 e 2012, Seul assumirá o comando operacional em situação de guerra das suas tropas, alterando um acordo que remonta à Guerra da Coréia (1950-53). Bell disse que a mudança pode ocorrer já em 2009, enquanto o governo sul-coreano prefere que seja mais para 2012. Os EUA mantêm cerca de 30 mil soldados na Coréia do Sul para apoiar os cerca de 670 mil militares do país. A Coréia do Norte tem cerca de 1,2 milhão de soldados, a maioria estacionados perto da fronteira entre as duas Coréias. Com reportagem de Jack Kim

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.