General americano deixa Afeganistão para chefiar CIA

Com o Afeganistão sob fortes ataques do Taleban nos últimos dois dias, o general David Petraeus deixou ontem o comando das forças da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) no país. Condecorado pelo presidente afegão, Hamid Karzai, Petraeus discursou para a tropa e entregou o comando dos 140 mil soldados ao general John Allen, dos marines.

AE, Agência Estado

19 de julho de 2011 | 09h06

Com 37 anos de serviço militar, Petraeus aposentará a farda e passará a comandar a CIA, principal agência de espionagem civil dos EUA. O presidente americano, Barack Obama, decidiu que Petraeus será o sucessor de Leon Panetta, que assumiu a chefia do Departamento de Defesa. A troca de comando deu-se em um momento de redução dos ataques da Otan contra alvos do Taleban no Afeganistão. As dificuldades na frente de batalha, porém, continuam.

Ontem, três soldados da coalizão em ação no leste do país foram mortos em um atentado. O Taleban ainda reivindicou o assassinato de um parlamentar e conselheiro de Karzai, na noite de domingo. "É meu objetivo manter a pressão nessa campanha", afirmou Allen.

A mudança de cadeiras na área militar e de espionagem ocorre em meio à revisão da estratégia de Washington para o Afeganistão. No mês passado, Obama anunciou a retirada de 33 mil dos 100 mil soldados americanos no país entre dezembro de 2011 e setembro de 2012. O restante deverá sair do país até o fim de 2014, com gradual transmissão da responsabilidade pela segurança interna para as forças afegãs.

Nos círculos políticos, David Petraeus é considerado um potencial candidato à Casa Branca. Ele assumiu o comando das forças da Otan no Afeganistão em julho de 2010, quando o general Stanley McChrystal foi demitido por causa de seus deboches à Casa Branca. Antes do Afeganistão, ele chefiava o Comando Geral, área que controla todos os conflitos nos quais os EUA estão envolvidos. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
EUAAfeganistãoPetraeusCIAExército

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.