General apoia retirada do Afeganistão em 2011

Em entrevista à TV, David Petraeus mostra-se de acordo com plano de Obama e frustra republicanos, que defendiam intensificação do conflito

Reuters, Ap e Nyt, WASHINGTON, O Estado de S.Paulo

26 de junho de 2010 | 00h00

O general David Petraeus disse ontem à CNN que apoia o cronograma do presidente dos EUA, Barack Obama, de começar a retirar os soldados dos EUA do Afeganistão a partir de julho de 2011. A questão é motivo de controvérsia entre o líder americano e seus críticos republicanos no Congresso, que acreditavam que o general se oporia à retirada e pediria mais tropas.

Petraeus foi indicado por Obama para substituir o general Stanley McChrystal no posto de principal comandante das forças dos EUA e da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) no Afeganistão. McChrystal foi destituído do cargo por causa de reportagem publicada pela revista Rolling Stone em que ele ridiculariza integrantes do governo e o próprio presidente dos EUA.

Na entrevista à CNN - suas primeiras declarações públicas após sua indicação como substituto de McChrystal -, o general Petraeus expressou seu respeito e apreço pelo trabalho de seu antecessor, afirmando que as circunstâncias que causaram a mudança de comando eram "tristes".

Apoio a Obama. "Apoio a política do presidente e também darei os melhores conselhos militares que puder ao conduzirmos nossas análises", disse Petraeus. "É um privilégio servir ao país. Obviamente, é uma missão muito importante."

Segundo fontes do Pentágono, a decisão de trocar McChrystal por Petraeus foi resultado de um duro debate entre Obama e dois de seus principais subordinados: o secretário de Defesa, Robert Gates, e o almirante Mike Mullen, chefe das Forças Armadas.

Obama queria a demissão de McChrystal, enquanto Gates defendia a permanência do general, argumentando que ele era vital para o esforço de guerra americano no Afeganistão.

De acordo com militares ligados a Petraeus, o general pretende rever algumas estratégias no Afeganistão, incluindo as regras de combate. Sob o comando de McChrystal, essas regras eram mais duras e restritas para evitar vítimas civis.

Confirmação. Diversas fontes militares, tanto da Otan quanto dos EUA, disseram ontem que esperam agora a demissão de muitos subordinados de McChrystal que também foram citados na reportagem da Rolling Stone. Isso deve ocorrer assim que Petraeus for confirmado no cargo.

Para ser oficializado como novo comandante dos EUA e da Otan no Afeganistão, o general Petraeus deve passar por uma sabatina no Comitê de Serviços Armados do Senado. A audiência está marcada para terça-feira.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.