General britânico pede retirada de tropas do Iraque

O chefe das Forças Armadas do ReinoUnido, o general Richard Dannat, pediu nesta sexta-feira a retirada imediata dastropas do Iraque, e afirmou que sua presença aumenta os problemas desegurança no país. Em declarações ao jornal Daily Mail, Dannat adverte que se ossoldados britânicos não deixarem imediatamente o país árabe, asituação piorará no Iraque e na própria sociedade britânica. "Nossa presença no Iraque aumenta as dificuldades que enfrentamosno mundo todo", diz na entrevista, sobre a qual aparentemente nãohavia informado ao Ministério da Defesa. Diante do argumento do governo de Tony Blair de que as tropasinternacionais estão no país árabe para impulsionar a democracia eajudar o Executivo eleito, o general lembrou que a opinião dosmuçulmanos sobre os estrangeiros que estão em seu país é bastanteclara. "Como estrangeiro, você pode ser bem-vindo, caso seja convidado air ao país. Mas nós não fomos convidados pelos iraquianos", afirmou. Segundo o militar, a campanha de 2003 foi "um chute na porta",para entrar no país. O general afirma que o governo trabalhista foi "ingênuo" aoaceitar o desafio de instaurar uma democracia liberal nos moldesocidentais no Iraque. "Acho que a história demonstrará que o planejamento do quedeveria ocorrer após a bem-sucedida fase inicial de combate foi malfeita, mais fundamentada no otimismo do que em um plano coerente",Afirma. "Qualquer tipo de consentimento dos iraquianos que podíamos ter aprincípio se tornou intolerância", diz. O general alerta ainda para o risco de o vazio moral existente noIraque permitir a progressão da "ameaça islamita". Dannatt se mostrou mais otimista quanto às perspectivas dastropas britânicas no Afeganistão, onde, sob o comando da Otan,enfrentam os insurgentes em uma batalha mais dura do que o esperado. Em comunicado, o governo britânico ressaltou nesta sexta-feira que as tropasestão no Iraque atendendo a um pedido do Executivo iraquiano. O ministério da Defesa afirmou que "a estratégia no Iraque éclara".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.