General britânico quer intensificar bombardeio da Líbia

O chefe do Estado-Maior das Forças Armadas do Reino Unido, general David Richards, disse neste sábado que a Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte) precisa ampliar sua campanha de bombardeios aéreos na Líbia. "A campanha militar até agora tem sido um sucesso significativo para a Otan e para nossos aliados árabes. Mas precisamos fazer mais. Se não aumentarmos a pressão agora, há o risco de que o conflito resulte na permanência do coronel Muamar Kadafi no poder", afirmou Richards em entrevista ao Sunday Telegraph.

AE, Agência Estado

14 de maio de 2011 | 20h34

O general também disse que "no momento, não estamos atacando alvos de infraestrutura na Líbia. Mas, se quisermos aumentar a pressão sobre o regime de Kadafi, precisaremos estudar seriamente a ampliação do leque de alvos que podemos atingir. Não estamos mirando Kadafi diretamente, mas, se acontecer de ele estar em um centro de comando e controle atingido pela Otan e ser morto, isso está dentro das normas".

Essa declaração contém algumas inverdades: a Otan tem atacado alvos civis na Líbia, como aconteceu na última sexta-feira, quando nove pessoas foram mortas num ataque aéreo em Trípoli; e em 1º de maio, aviões da aliança bombardearam um bairro residencial da cidade, atingindo uma casa onde Kadafi e sua família estavam; um dos filhos e três netos de Kadafi morreram.

A resolução da ONU que autorizou ações militares na Líbia se limitava a permitir a imposição de uma zona de exclusão aérea, para impedir operações da Força Aérea líbia, e a proteção a civis. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
LíbiaataqueMuamar Kadafi

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.