General da Otan pede mais 15 mil soldados para o Afeganistão

Responsável pela província de Kandahar, uma das mais violentas do país, quer mais dois batalhões suplementares

estadao.com.br ,

15 de outubro de 2009 | 13h43

O comandante holandês das forças da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) para a região de Kandahar, no sul do Afeganistão, disse nesta quinta-feira, 15, que considera necessários entre 10 mil e 15 mil soldados a mais para garantir a segurança na zona sob seu comando, segundo a agência de notícias AFP.

 

Veja também:

linkOtan defende envio de mais tropas ao Afeganistão

linkObama decidirá sobre envio de tropas nas 'próximas semanas'

especialEspecial: 30 anos de violência e caos no Afeganistão 

 

"Desde a chegada das tropas americanas" ao sul do país, "está claro que voltamos a tomar a iniciativa na região" contra o Taleban, assegurou o general Mart de Kruif, que comanda cerca de 40 mil soldados da força de Assistência para a Segurança (Isaf) da Otan. O sul e o leste do Afeganistão são as regiões com maior presença de insurgentes.

 

"Entretanto, necessitamos de soldados suplementares", disse. "No sul, para aplicar verdadeiramente a estratégia de 'segurança, manutenção e construção', precisamos de ao menos duas brigadas a mais, ou seja, entre 10 mil e 15 mil soldados", incluindo tropas de apoio dos batalhões de combate, disse Kruif.

 

As declarações do holandês foram dadas no momento em que o presidente dos EUA, Barack Obama, deve decidir se envia reforços ao Afeganistão, além dos 21 mil enviados durante o verão e direcionados principalmente às províncias de Helmand e Kandahar.

 

O General Stanley McChrystal, que comanda as forças internacionais no país, pede entre 10 mil e 40 mil soldados mais para combater a insurgência taleban, que voltou a ganhar força nos últimos três anos. 

Tudo o que sabemos sobre:
Afeganistão. EUAtropasOtanTaleban

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.