General da reserva deve assumir Forças Armadas de Israel

O diretor-geral do Ministério da Defesa de Israel, general da reserva Gabi Ashkenazi, desponta como o próximo chefe do Estado-Maior militar, após a saída do chefe das Forças Armadas, general Dan Halutz.O atual subchefe das Forças Armadas, general Moshé Kaplinsky, renunciou à sua candidatura para substituir Halutz, que deixou o cargo na semana passada, e deste modo abriu caminho para Ashkenazi, o favorito do ministro da Defesa, Amir Peretz, que deve comunicar sua decisão ao chefe do governo, Ehud Olmert.Acredita-se que Peretz se reunirá com o primeiro-ministro Olmert dentro das próximas 48 horas e, caso ele aceite a nomeação, Ashkenazi assumirá dentro de duas semanas suas novas funções e retornará às Forças Armadas, das quais saiu há um ano e meio."Acho que possuo a experiência, a capacidade e a autoridade para desempenhar a função de chefe do Estado-Maior da melhor forma possível", assinalou Kaplinsky, em sua mensagem a Peretz."As Forças Armadas de Israel são um Exército do povo e, portanto, na minha opinião, a designação do comandante-em-chefe deve gozar do consenso mais amplo possível", comenta em sua carta Kaplinsky, que seguirá em suas fileiras e servindo como subchefe.A polêmica sobre quem será o próximo chefe das Forças Armadas, após a renúncia de Halutz indica um distanciamento entre Olmert, líder do Partido Kadima, e Peretz, presidente do Partido Trabalhista na coalizão do governo.Assim como o general Halutz, setores da oposição parlamentar e o movimento de reservistas que impugnaram a condução do conflito do ano passado contra a milícia islâmica do Hezbollah, no Líbano, exigem também a renúncia de Olmert e Peretz.O general Ashkenazi não teve parte nessa disputa, que durou 34 dias e terminou com um cessar-fogo entre Israel e o Líbano organizado pelo Conselho de Segurança da ONU.Durante a próxima semana, espera-se em meios do governo e das Forças Armadas que a Comissão Winograd, presidida pelo juiz retirado Eliahu Winograd, divulgue os resultados de uma investigação da atuação do Executivo e das Forças Armadas durante esse conflito.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.