General diz que Taleban sinaliza desistência; insurgentes negam

Governo do Afeganistão mantém plano de paz e reconciliação com rebeldes

Agência Estado

28 de setembro de 2010 | 11h04

CABUL - O general americano David Petraeus, comandante das forças da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) e de militares dos EUA no Afeganistão, disse nesta terça-feira, 28, que o Taleban está se aproximando do governo afegão e das forças internacionais. Segundo Petraeus, existe a possibilidade de que os insurgentes entreguem suas armas, após quase nove anos de conflito. No entanto, um porta-voz do Taleban negou essa sinalização pela paz.

 

Veja também

linkKarzai chora ao pedir reconciliação ao povo afegão

 

Petraeus afirmou que muitos grupos insurgentes já mostraram à Otan a possibilidade de desistir dessa luta. "Já houve 20 ou mais aberturas de pequenos grupos pelo país", disse Petraeus. Ele fez uma referência ao programa que busca reintegrar comandantes intermediários do Taleban e os combatentes à sociedade afegã.

 

O general disse que os esforços do presidente do Afeganistão, Hamid Karzai, para dialogar com a liderança do Taleban ajudaram nesse processo. O militar americano observou, porém, que se trata de um estágio bastante inicial de abertura.

 

O governo afegão tem um programa de reconciliação e integração para os militantes. A reconciliação enfoca a abertura de um diálogo com a liderança do Taleban, com vistas a encerrar a guerra. Já a reintegração busca criar oportunidades para os que lutaram pelo Taleban, como alternativas de emprego. O Taleban já rejeitou esses planos de Karzai, dizendo que apenas tratará do tema quando as forças estrangeiras deixarem o Afeganistão.

 

Após a declaração do general, um porta-voz do Taleban negou de maneira veemente a versão, qualificada por ele como "completamente sem base". Segundo o porta-voz, os insurgentes não vão negociar com os "invasores estrangeiros" ou "seu governo fantoche". "Nós queremos a retirada completa e incondicional de todas as forças invasoras de nosso país", afirmou Zabiullah Mujahid, por telefone, de um lugar não especificado. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.