General dos EUA admite risco de mortes injustificadas no Iraque

O comandante dos marines dos Estados Unidos, general Michael Hagee, admitiu nesta quinta-feira que existe o risco de que alguns soldados em combate, como os que estão no Iraque, possam ficar "indiferentes à perda de vidas humanas".Devido a dois casos recentes de mortes de civis iraquianos, supostamente nas mãos de marines americanos, Hagee viajou nesta quinta-feira ao Iraque para lembrar as tropas que só podem matar "quando estiver justificado", segundo declaração divulgada pelo Corpo de Infantaria da Marinha."Muitos de nossos marines estiveram envolvidos em combates de vida ou morte, ou foram testemunhas da morte de seus companheiros", e esses eventos podem fazer com que se tornem insensíveis, disse o general na nota.Hagee deve se reunir com os marines que cumprem missão no Iraque, para transmitir-lhes sua preocupação com as investigações abertas sobre o papel de alguns deles na morte de civis. O principal objetivo da viagem do general é reforçar os valores e as normas do corpo militar que, acrescentou, não recorre ao uso da força sem justificativa. "Recorremos à força letal só quando é justificado, proporcionado e, o mais importante, legal", disse.Segundo Hagee, a honra para um marine é muito mais que honestidade, porque implica em ter integridade pessoal e ser responsável por todos os atos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.